Find us on Google+

Widgets


 Não tenho remorsos em admitir, sou dos poucos que adora musicais. Acho que somos uns 13 - 4 são americanos e 2 são do Cartaxo, o resto ainda estou por conhecer. Não gosto de musicais por serem lindos e maravilhosos como o Música no Coração, que não vi todo e nem me seduz, mas vejo pela componente teatral (Sweeney Todd, Jesus Christ Superstar e, para minha surpresa, My Fair Lady) e simplesmente divertida (Little Shop of Horrors). Aliás, fazendo eu teatro quando tenho a oportunidade, ouvir musicais é um dos meus rituais secretos para me inspirar. Uma outra vez foi estudar o Ethan Hawke no Training Day por alguma razão.

 Para variar, eu não fazia ideia de que já existia uma versão deste filme. Ou várias. E teatros. E lancheiras. Nem a Susan Boyle me deu pistas suficientes quanto a isto.

 Previ que eu fosse gostar deste musical pelo bem que falavam dele, assim como o elenco que inclui aquela actriz que entra naquele filme que eu tanto amo. Exactamente, a Helena Boham Carter no Fight Club. A verdade é que eu já estava preso ao filme mal este começa com uma escala épica de prisioneiros a puxarem um navio para o porto. Os figurantes, as poses, os timings, o Wolverine, o que há para não gostar?

 Aparentemente, o Russell Crowe. Mas já lá vamos.


 O elenco do filme é... surpreendente. 2012 foi o ano de Anne Hathaway, conseguindo um Oscar pela sua interpretação da Fantine e... uma outra coisa. De facto, ela está magnifica no filme. Não aparece o suficiente mas é mais do que memorável e rouba toda a primeira parte do filme só para ela sem dar nada a ninguém. Pode haver gente que ainda não acredita muito nela mas cada vez mais prova ser mais sal do que pão. Eu queria dar uma excelente analogia com isto mas relendo o que escrevi acabou por não ser nada de especial...

 Merece todos os louros que lhe deram mas, honestamente, acho que o Hugh Jackman foi severamente ofuscado quando está tão impressionante. Dele, não fiquei tão surpreendido pois sabia que ele era um actor da broadway pelo que já imaginava que estivesse à vontade em registos diferentes. Mas é Jackman que, a meu ver, e não fosse ele a personagem principal, tem a personagem mais complexa que leva todo um filme de 16 Horas a desenvolver-se o que faz do seu final bastante concretizado.






 Está bem, vamos lá falar do Russell Crowe então.



 A vasta maioria da crítica detestou o Russell Crowe a cantar. E em vários casos, detestar é dizer pouco. Pessoalmente, e como eu disse nos Cinema Bloggers Awards, acho que em várias canções ele parece estar mais a bocejar do que a cantar mas, acreditem ou não, o seu Javert...






 é a minha personagem favorita do filme!



 Estou a ser honesto! Está bem que ele tem a vantagem de eu ter um fetiche sexual por vilões mas além de ter as minhas canções favoritas, eu, genuinamente, adorei a sua performance. Percebo o que querem dizer, quando não transmite emoção nenhuma e parece estar mais a falar alto do que propriamente a cantar mas, honestamente, eu acho que faz sentido para a sua personagem. É um Oficial que não vê mais nada à sua frente do que a justiça, acho que o Russell fez um papel credível de alguém que mete respeito e exige tal pela lei.








E é também o meu papel favorito do Russell Crowe.




 Quanto ao filme em si, a minha única queixa é em termos de ritmo embora, querendo ser mais justo, pelo que pesquisei na Internet seria sempre um trabalho complicado. Por norma um filme tem essencialmente 3 actos. Os Miseráveis tem uns 34 ou 72 ou 103, não sei ao certo. Ligam-se todos de uma forma ou de outra mas, na minha opinião, podiam perfeitamente cortar toda a história, ou mesmo personagem, da Éponine. Lamento, mas aborrece-me e já há o suficiente a acontecer pelo filme. Ignorei na primeira vez que vi o filme e aborreci-me completamente na segunda vez; nem quero imaginar nas próximas. Não é que a sua parte seja horrível mas como acabei de dizer, já há tanto a acontecer e a sua parte acaba por ser totalmente esquecida tanto pela audiência como pelas próprias personagens. Mas acho que eles tinham que justificar bem o título "Os Miseráveis" e não sabendo praticamente nada sobre a obra da qual se baseia, aceitem a minha opinião como acharem melhor.

O filme não é um musical ao estilo de Sweeney Todd em que há uma música, umas quantas falas e depois outra música - assim sucessivamente - Les Misérables faz questão de provar que é um musical já que há talvez umas 20 palavras que são proferidas normalmente pois é praticamente tudo cantado. Isto resulta em dois momentos que eu acho hilariantes. O primeiro é quando Valjean diz à Cosette para arrumar tudo e irem embora pois Valjean canta, diz 5 palavras num tom autoritário e volta a cantar. O segundo é também com Valjean, quando este se põem a cantar altíssimo sobre e mesmo ao lado de uma personagem que está a dormir. Não consigo não achar engraçado mas isto sou eu a troçar já dos clichés de um musical.

Tenho, talvez, mais uma queixa. As músicas. Não são más... pelo contrário, não saem da cabeça por mais que a lavemos com Pantene! A minha favorita é a música do confronto entre o Valjean e o Javert, mas a Look Down! é inademissívelmente contagiante.

Because Internet...


 Les Misérables foi dos filmes mais falados do ano e por boas razões. Mais um filme que eu não tinha no radar mas quando o vi não levou muito tempo a tornar-se num dos meus favoritos. Tem personagens e músicas altamente memoráveis e consegue bater o meu record pessoal pois é o musical com o maior número de músicas que eu gosto. Acho que só não acho graça a uma ou outra, o que é impressionante já que todo o filme é cantado.

 Recomendo o filme a todos, mesmo aos que estão a ler isto a abanar a cabeça por tudo o que eu escrevi.







 Mas continuo a adorar o Russell Crowe neste filme.



3 comentários até agora:.

  1. Loot says:

    Admiro a tua coragem em falar bem do Russel Crowe, eu tb o fiz lol.

    Agora ser o melhor papel do Crowe, aí já me afasto :P

    Abraço

  2. Ana S. says:

    Quem fala a verdade não merece castigo! Eu por acaso detesto musicais mas este não podia deixar de ver nem que fosse pelo Jackman ;)
    Ainda bem que não sou a única a ter um fetiche sexual por vilões. Fazer o quê? Eles são sempre mais interessantes do que os heróis do filme! lol
    Agora já posso dormir descansada. Encontrei alguém que, tal como eu adorou o Javert! lool

  3. Não acho que seja o melhor papel do Russell Crowe mas é, de longe, o meu favorito =P

Deixe o seu comentário:

Partilhe os seus comentários connosco!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...