Find us on Google+

Widgets

por Cine31.

Devo começar o texto com um mea culpa. Quando em Março do ano passado foi anunciado que o actor Chris Evans (Fantastic Four) havia sido escolhido para personificar o star spangled man ("bandeiroso" para quem leu as histórias do Capitão em versão brasileira) juntei-me ao sector cibernauta de escárnio que duvidou da capacidade do actor, conhecido por papéis cómicos, em interpretar um Steve Rogers mais sério, uma figura de autoridade que irá mais tarde liderar os Vingadores. Até cheguei a fazer no blog uma sondagem ["Acha que Chris Evans vai ser um bom Capitão América?"], em que venceu a opção "EPIC FAIL" com 29% dos votos. Depois de ter visto o filme, só posso dizer que Evans encarnou o Capitão América de modo quase perfeito.
O seu Steve Rogers é mais um dos jovens seduzidos pela propaganda romântica que fotografou a Segunda Guerra mundial como uma guerra justa, em que os americanos ansiavam cruzar o Atlântico para poder batalhar o mal absoluto, personificado em Adolf Hitler e os seus Nazis. Nazis que neste filme ficam em segundo plano, destacando a misteriosa organização H.I.D.R.A. - familiar aos fãs de BD - liderada por Johann Schmidt, o Red Skull (um Hugo Weaving pouco aproveitado), auxiliado nos seus planos pelo genial Dr. Arnim Zola (Toby Jones). Quando o Red Skull (Caveira Vermelha) se apodera do poderoso Cubo Cósmico planeia usar as suas energias para destruir cidades na América.
O filme tem dos seus melhores momentos enquanto na América dos anos 40 acompanhamos a luta do franzino e doente Steve para se conseguir alistar nas forças armadas, sempre recusado até que na Feira Mundial (a mesma de Howard Stark, o pai do Iron Man) capta a atenção do cientista Abraham Erskine (Stanley Tucci), que é impressionado pela força de vontade e bondade do jovem. Recrutado para o programa do super-soldado, Rogers é sobrevive à experiência e é mais alto, ágil e mais forte e musculoso. Mas um agente infiltrado assegura que o processo não pode ser repetido, impedindo a criação de um exército de super-soldados americanos. Enquanto Rogers - a contragosto - faz parte do circo da campanha para angariar recursos, a batalha continua na Europa. Durante uma campanha no velho Continente para levantar a moral das tropas, Rogers desobedece ordens do superior Coronel Phillips (Tommy Lee Jones) - e com a ajuda da agente Peggy Carter (Hayley Atwell) e Howard Stark (Dominic Cooper) - resgata o amigo Bucky Barnes (Sebastian Stan), prisioneiro da H.I.D.R.A. Libertando Barnes e muitos outros soldados, Rogers regressa à base aclamado como um verdadeiro herói e não apenas um truque publicitário. Mas o Red Skull consegui escapar e continuam a preparar-se para destruir o inimigo. Mas o Capitão América tem um novo uniforme, o icónico escudo feito de vibranium, e uma equipa especial de novos aliados (os Howling Commandos) que vão fazer a vida negra aos planos da  H.I.D.R.A.

O realizador Joe Johnston já tem experiência em filmes de heróis americanos que enfrentam nazis (The Rocketeer, de 1991), mas a película perde gás depois da transformação de Steve Rogers no Capitão América, exceptuando algumas boas cenas isoladas, como o hilariante e irónico número musical que acompanha a tour do Capitão através da América para promover a venda de war bonds e aliciar ao alistamento nas forças armadas. A relação melhor ilustrada é entre Steve Rogers e o Dr. Erskine, e a relação mais intima ente Steve e Peggy é breve demais, assim como com Bucky, muito mais proeminente na BD, como o jovem sidekick do herói. O tratamento dado à equipa dos Howling Commandos também é muito fraco.
A fotografia, a banda sonora, a reconstituição de época estão muito boas (esta última até contrasta bem com a tecnologia avançada da H.I.D.R.A.), destaco as actuações de Chris Evans, Stanley Tucci e Toby Jones, e as várias "piscadelas de olho" e referências às clássicas histórias de BD. Em suma, acho que o filme foi prejudicado por alguma falta de habilidade em equilibrar as diversas elipses que ilustram a passagem do tempo e de vários acontecimentos, parecendo tudo muito rápido demais. Se o vilão tivesse mais tempo de antena, e os outros secundários fossem mais interessantes, o conjunto teria ficado a ganhar. Provavelmente num segundo visionamento se safe melhor. Assim, no primeiro visionamento, não me encantou como Thor, gostei mais do que o desinspirado Iron Man 2, mas não é o fim do mundo como os habituais velhos do Restelo bradam aos quatro ventos.
E sem entrar em spoilers, o filme termina (e começa) com uma ligação directa ao esperado The Avengers (Os Vingadores, estreia em 2012), a equipa de super-heróis que reúne no presente o Iron Man, Hulk, Thor, Black Widow, Hawkeye, e claro, o Capitão América, o homem fora do seu tempo. E vale a pena ficar até ao final dos longos créditos finais para ver o trailer de The Avenger!


4 comentários até agora:.

  1. Sofia says:

    eu sabia que ias gostar... Captain rules :)

  2. É curioso que a ideia geral que tenho do filme paleas reviews que vou lendo, coincidem imenso com esta critica e portanto, acredito que a tua visão vai ser conforme a que terei quando vir o filme...
    Na verdade, sobre a origem do capitão e sobre a 1ª fase dele durante a guerra, não tive leituras minhas ou BDs disso mas o que mais sabia e vi foi pelos desenhos animados que passaram na tv quando era puto.
    Recordo que ele tinha muitos inimigos interessantissimos, sendo um dos nomes que nunca mais esqueci ser o "Spitfire" e ainda havia um que era tipo o Tocha (parecido com o Tocha Humana dos Quarteto).

  3. CINE31 says:

    Eu também sabia pouco da origem do Capitão, as poucas BD dele que tinha eram da fase "moderna" (tipo hà 20 anos, eheh) mas nos anos 90 comprei uma edição comemorativa (edição brasuca) com re-impressões das primeiras histórias e outras importantes do Capitão. Ainda tenho algures a revista :) A partir dessa altura interessei-me mais pelo personagem. Esse Tocha que falas é o Tocha Humana original, um andróide, do Marvel Comics nº 1, ainda publicada pela antecessora da Marvel, a Timely comics :) A Spitfire tive que ir pesquisar (god bless wikipedia) mas agora lembro-me de ler algumas historias com ela...
    durante o filme do Capitão, ainda estava à espera de um cameo com com os Invaders, com estes e mais o Namor e outros :D teria sido do caraças, nem que fosse durante 5 segundos

Deixe o seu comentário:

Partilhe os seus comentários connosco!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...