Find us on Google+

Widgets


Em 2005, quando o filme "Batman Begins" foi lançado nas salas de cinema, a minha opinião sobre o mesmo foi a seguinte*:
Por vezes, quando as espectativas são muitas, o espectador fica decepcionado. E tenho a certeza que "Batman - O Inicio" é um bom filme, mas sinceramente, esperava algo diferente. Certamente que quando rever o filme, dessa vez livre de preconceitos e expectativas, vou apreciá-lo mais, tal como aconteceu com "Spiderman" e "X-Men" (para quem ainda não tinha dado por isso, sou grande fã de BD e das suas - mais ou menos conseguidas - adaptações ao silverscreen.
Resumidamente, somos apresentados à tragédia de Bruce Wayne e a sua luta para trazer justiça às vitimas dos criminosos que pululam em Gotham City - a cidade mais corrupta do Mundo, aparentemente com apenas um policia honesto, o futuro comissário Gordon, confrontando através do seu alter-ego Batman inimigos muito mais poderosos e influentes que aquele zé-ninguém que assassinou o papá e a mamã Wayne à saída do teatro (Nota pessoal: prefiro aquela versão em que Bruce e os pais foram assistir a um filme sobre as aventuras de um justiceiro mascarado de negro - O Zorro). O toque feminino num elenco de homens é trazido por Katie Holmes, amiga de infância de Bruce. Actores como Michael Caine, Gary Oldman, Morgan Freeman, Liam Neeson dão o equilibrio a um filme assente na realidade, o que o afasta dos outros filmes da série Batman (principalmente os dois últimos), com vilões e situações histéricas. Esperemos que o próximo Batman, já livre de contar origens, se desenvolva mais no terreno da acção, mas sem abdicar de um argumento e actores credíveis.
O Melhor: O diálogo final com Gordon.
O Pior: A narrativa apresenta-se um pouco desconexa. Repetição de ideias e diálogos.
Mais de cinco anos depois de escrever estas palavras, tenho a dizer que a minha admiração por este filme, com as suas falhas e tudo, só tem vindo a crescer com as constantes visualizações, como "previ" no primeiro parágrafo da critica que escrevi logo depois de o ter visto no cinema. 
Alguns dos aspectos que me esqueci de mencionar foram a excelente banda sonora e fotografia. Na altura, parte da minha "decepção" relacionava-se com o facto de esperar algo mais semelhante às histórias de BD clássicas, em detrimento de ambientar o Homem Morcego  numa cidade mais dominada pelos gangsters do que pelos vilões em fatos coloridos. Mas depressa percebi porque Nolan e a sua equipa decidiram criar uma Gotham City e os seus habitantes mais perto dos retratos do agora clássico "Batman Ano Um", com um Batman inexperiente e que falha. O Batman de Nolan é um homem que evolui com os seus erros, não um super-herói invencível. É um ser humano, que causa medo nos vilões por ser incansável, por não se submeter, por não escolher o caminho mais fácil. Nos filmes anteriores do Batman, os vilões eram sempre mais interessantes e carismáticos do que Batman, ou Bruce Wayne, aparentemente um playboy inconsequente que parece combater o crime porque está aborrecido. Mas neste filme, a estrela é o herói e a sua jornada e sacrifício pessoal para se tornar o Cavaleiro das Trevas.

Texto da crítica original foi publicado aqui: Batman Begins.
Crítica da sequela: O Cavaleiro das Trevas [The Dark Knight]

Categorias: , , ,

11 comentários até agora:.

  1. É interessante o realismo que Nolan incutiu em Batman. Mesmo assim gosto tanto dos Batmans de Burton (cresci com eles) como este e o The Dark Knight. É um empate :)

    Abç

  2. Prefiro este ao Dark Knight sinceramente.
    Considero-o mais interessante e cativante, e aquele final é magnífico.

  3. CINE31 says:

    Dezito: dos do Burton gosto muito do visual, da música, mas prefiro claramente os Batman do Nolan.

    Rui: apesar de gostar muito do Dark Knight, pela acção e emoção, adoro este Begins, por estabelecer a mitologia da personagem...

  4. Loot says:

    Gostei da comparação dos dois textos porque é mesmo assim.

    Também já fui com tanta expectativa que a minha primeira impressão foi "epá o filme não é assim tão bom" e depois ao rever já sem a maldita expetcativa " Ah afinal isto é um espectáculo".

    O próprio X-Men 1 hoje acho um piadão, só as piadas o Wolverine valem a pena.

    O Begins é um bom filme do Batman, a 1º metade talvez melhor que a 2º. Gostava de ter visto ainda mais de Bruce Wayne antes de ser Batman. As cenas de pancadaria lembro-me de serem filmadas meio confusas, já não sei, tenhod e ver isso outra vez :P

  5. Eu vejo as duas incursões de Nolan ao mundo de Batman, como distintas e com méritos diferentes.

    Acho o "The Dark Knight" como uma verdadeira obra-prima de filmes com super-heróis e super-vilões. Contudo, com o tempo olho para o TDK como um filme onde na verdade onde há menos o factor super-herói do que todos os outros que já surgiram, precisamente por ele ser mais uma abordagem á psique de pessoas que querem mudar o seu próprio mundo. Depois o TDK, parece-me actualmente ser menos Batman do que realmente aprecio e se espera, que é ver o triunfo da personagem principal. Nele Batman parece mais o impulsionador de tudo mas não o capitalizador, pois é Joker quem rouba o filme (no filme de Burton empatavam mas aqui Batman perde mesmo). Facto que me tem corroido quando o revejo. Depois porque também Nolan abandona neste filme as encenações que homenageavam o meu querido Batman (as poses, os morcegos à volta dele, o imaginário clássico vs revitalização de Frank Miller, etc).

    E é apartir daqui que quando revejo o "Batman Begins" sinto um prazer extra e mais recompensador (o fato mais parecido com o que conheço dele, a pose de gárgula nas pontas dos edifícios, o rodear dos morcegos, a batcave, etc). Begins é um filme de Batman, sobre Batman, sobre Bruce Wayne e um mix imenso dos melhores momentos da BD de Batman (ele como detective/vigilante pendurado nas paredes, o uso sábio do disfarce de playboy, etc) tornam-no mais fascinante pelo foco dedicado á personagem e depois por muito bem saber enaltecer da BD "Ano Um" um Tenente Gordon como deve ser (inteligente e não um mero policia apalermado - na versão de Burton é o Gordon dos tempos clássicos).

    Begins é um filme, cuja engrenagem caminha emocionantemente até ao apresentar da carta de Joker. Sempre imparável. O TDK é mais que um filme e hoje acho que foi uma pena o desperdiçar do Two-Faces numa vendetta pessoal, que sai ofuscado pelo soberbo Joker de Ledger.
    Na práctica, Begins é o verdadeiro filme de super-heróis, onde somos brindados com o "path of the hero" (a origem e a caminhada a defender o bem). Todos os filmes que usam o "path of the hero" safam-se sempre (Matrix, Superman, Bat begins, Spiderman, Iron Man) mas espalham-se nas sequelas depois de não terem mais disso para dar (é a descoberta que cativa o povo). Sendo o problema o que fazer a seguir de ele estar estabelecido, é é isso que percebo do valor do TDK ao contornar este handycap. Batman continuou nos mesmo moldes em que ficou e Nolan dedicou-se a fazê-lo com um vilão, foi premeditado claramente para não desperdiçar uma boa "cartada" ao mudar de foco (não é á toa que é o Joker quem mais aparece nos posters...) e Batman é quase um secundário em modo trágico (se analisarmos bem, perde a mulher nas duas identidades, o mal chega na mesma a triunfar no fim - apenas uma inteligente premissa para fazer valer mais o Bat3).

    Eu espero que o Batman 3 recupere-lhe o foco merecido e mais glória. Até porque ele tem de se erguer do infortúnio da sua condição de vigilante perseguido (que também representará uma nova abordagem ao estilo "path of the hero" do mal para bom).

  6. @ Cine31 - O teu post é super-pertinente. E penso mesmo que até o Superman returns daria para ser reapreciado sem o factor expectativa da altura (de longos anos sem um Super na tela).
    Quanto a Batman… admito mesmo, que actualmente, quando pego num dos DVDs para rever, é o Begins que salta da caixa (e talvez mesmo o que mais vezes vi - e o segundo disco é fabuloso é uma BD-interactiva).
    Mas em termos de cinema, o TDK é uma obra superior (se tirarmos as super-identidades das personagens, poderia ser visto na mesma como grande filme policial com fora-da-lei e de agentes que contornam a lei - o Begins perde a lógica sem as super-personagens). É um filme genial.

    @ Loot: Ainda hoje, não entendo como por vezes troçam tanto do X1, que é magnifico (o DareDevil sofre do mesmo mal mas também tem culpa nisso). E para 1º filme de uma saga, estabelece tudo sem recorrer claramente ao estilo de "path of the hero" e tendo ainda de lidar com diversas importantes personagens sem lhes retirar foco e até a coerência com a BD e os moldes modernos. Synger foi brilhante e no X2 genial.

  7. CINE31 says:

    ArmPaulo: Subscrevo todas e cada uma das palavras dos teus comentários, que acho que dava um belo post no teu blog sobre o género de super-heróis. :-)

    Loot: se percebi bem, "O próprio X-Men 1 hoje acho um piadão", com piadão queres dizer que gostas mais agora do que na altura que saiu,certo?

  8. Ahh, obrigado David!

    Já agora se realmente recuperasse muitos dos meus comentários e lhes desse um jeito e os publicasse, teria alguns posts bem interessantes. Ainda hoje deixei um no Bitaites que teria o poder deste que te deixei. Não faço de propósito mas quando vou a ver, saem longos textso com muita informação.
    A culpa é dos artigos que originam os comentários. Têm de ser bons e pertinentes. Continua com o bom trabalho aqui no Cine31. Well done!

  9. Ahh, obrigado David!

    Já agora se realmente recuperasse muitos dos meus comentários e lhes desse um jeito e os publicasse, teria alguns posts bem interessantes. Ainda hoje deixei um no Bitaites que teria o poder deste que te deixei. Não faço de propósito mas quando vou a ver, saem longos textso com muita informação.
    A culpa é dos artigos que originam os comentários. Têm de ser bons e pertinentes. Continua com o bom trabalho aqui no Cine31. Well done!

  10. Loot says:

    Em relação ao X-Men 1 é isso sim. Uma pessoa vai com aquela expectativa e depois não é que tenha sido mau, mas não chegou lá. Depois ao vermos uma 2º vez o filme sabe melhor e o X-Men 1 é isso. Vejo o filme hoje e acho que está muito bem conseguido, depois com mais dinheiro viu-se do que o singer foi capaz na sequela que é um espectáculo. aquele inicio com o nightcrawler, o colossus foram tudo momentos dourados.
    Uma pena o 3 ser tão fraco.


    Armindo: Acho que já tinha lido esta comparação entre os dois filmes no teu blog. E percebo o que dizes, no 1º também temos o nascimento de Batman, o filme vive para ele. No TDK divide ecrã com o Joker e com o Two Face. Foi tramado.

    O Two Face foi uma pena ter morrido. A introdução ao ahrvey Dent esteve perfeita, era de levar o vilão para o 3.

    O Joker vai preso mas deixa a sua marca, os bons têm de se sacrificar para que não se saiba que o mal venceu. Acho que no 3º vamos ter um regresso em força do morcego, afinal The Dark knight RISES :P

  11. CINE31 says:

    Armindo: Obrigado :-D

    Loot: realmente, tenho uma pena imensa do X-Men 3, mais ou menos mesmo problema do Spider-man 3, too much! Eu teria gostado (ainda) mais do TDK se o Duas Caras tivesse ficado para o terceiro filme, era o fecho de trilogia perfeito. Digo eu ;-)

Deixe o seu comentário:

Partilhe os seus comentários connosco!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...