Find us on Google+

Widgets



PRÍNCIPE DA PÉRSIA - AS AREIAS DO TEMPO(2010)
PRINCE OF PERSIA - THE SANDS OF TIME


Realização: Mike Newell  (Harry Potter e o Cálice de Fogo)


Jake Gyllenhaal (Donnie Darko, Zodiac) é Dastan, o Príncipe da Pérsia do título, um fugitivo injustamente acusado de matar o Rei Sharaman, que adoptou Dastan quando este era um miúdo de rua.  Gemma Arterton (Quantum of Solace, Clash of the Titans) é a Princesa Tamina, que perdeu a sua cidade impenetrável para as forças persas. Ambos devem unir forças a contra-gosto para recuperar uma poderosa adaga que faz o utilizador recuar no tempo e modificar o passado.  Com a adaga Dastan pode provar a sua inocência e desmontar uma conspiração que acusa a cidade sagrada de Alamut (governada pela Princesa Tamina) de esconder armas avançadas, uma referência pouco subtil, à acusação dos Aliados que o Iraque (antiga Pérsia) escondia armas de destruição massiva, que tal como as armas da Princesa Tamina nunca foram encontradas.





Mas para escapar ás tropas dos seus irmãos sedentos de vingança e do seu tio Nizam (Ben Kingzley) vão precisar da ajuda reticente do Sheik Amar (um irreconhecível e hilariante Alfred Molina) e de outros aliados. Mas primeiro têm que deixar de se tentar matar um ao outro. E já viram onde isso vai dar, certo?



Adaptação de uma séries de jogos de computador (e consolas) o filme desaproveita os seus belos e épicos cenários, que surgem no ecrã pouco mais que um segundo e sempre em movimento. Pouco se pára para apreciar a beleza. A beleza que mais se aprecia é a de Gemma Atterton, e que não é pouca. E adoro a voz da mulher, ela podia ganhar a vida a fazer voz off sexy... 




Se no jogo do Príncipe da Pérsia que conheço, o clássico original, pouco mais se fazia que saltar obstáculos e lutar contra bandidos (nada contra, pelo contrário, aprecio bastante os jogos de plataformas de acção linear. Confesso que no Príncipe da Pérsia só joguei o primeiro nível...) no filme pouco mais se passa também. O príncipe Dastan é um autêntico praticante de Le Parkour! Onde o filme mais decepciona é no final, antecipado por um anti-clímax previsível, e no entanto relacionado com o McGuffin do filme, a adaga. 


É um bem aceitável filme pipoca, muita acção regada com algum humor e pitadas de um romance cliché, excelentes valores de produção a nível de fotografia, cenários, guarda-roupa e ambientação num ambiente Mil e Uma Noites, com efeitos competentes e diversão. Recomendado para uma sessão entre amigos!
















Categorias: ,

6 comentários até agora:.

  1. djamb says:

    Curioso, acabei agora mesmo de escrever sobre este filme :)
    Não sou muito fã deste tipo de filmes, e muito menos de adaptações de jogos ou de bandas desenhadas, mas a verdade é que gostei imenso do filme porque tem passagens muito parecidas com o Prince of Persia original.

  2. CINE31 says:

    Gostei bastante da sua comparação com o jogo original!

  3. Nasp says:

    Um filme de Domingo a tarde... não mais que isso!

  4. says:

    Eu adorei o filme. :)
    Leve, divertido, pipoca total.
    Mas tem sim os seus probleminhas como vc bem citou.
    Abraços

  5. Desculpa intrometer-me neste post, mas queria passar a mensagem de que estou a lançar uma nova rubrica... em que todas as semanas gostava de postar uma das montes mais hard core do cinema...esta semana lancei esta, e desafio-vos assim a todos os bloguers a arranjar uma pior!deixem no meu blog ;)


    http://cinemaschallenge.blogspot.com/2010/09/cena-que-ate-arrepia-propria-morte.html

Deixe o seu comentário:

Partilhe os seus comentários connosco!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...