Find us on Google+

Widgets

Quanto tempo é necessário fazer um amigo? Uma vida? Um trocar de olhares? Uma noite numa prisão espacial rodeado de todo o tipo de criminosos que anseiam por afiar as suas lâminas na tua pele? "..ô-das" responde o leitor enquanto trinca a sua sande de coirato. Sim, acredito que todas, caro leitor. Agora apanhe as migalhas em cima do teclado,e  vamos ao que interessa:
Hollywood e a cultura pop sempre nos martelaram a cabeça que as situações mais extremas são ideais para forjar amizades "bigger than life". E neste filme, o clássico (ainda mais para conumidores de BD) "inimigos que afinal se tornam aliados contra um inimigo comum" funciona, e muito bem, com todos os momentos divertidos, lamechas e de acção épica, unidos pelo carisma e timing perfeito do elenco principal e secundário. Os vilões ficam aquém do esperado? Ficam, mas "Guardians Of The Galaxy" não é a história deles, maníacos e genocidas já temos suficientes nos noticiários, obrigado. A nossa quadrilha de heróis tem um pouco de tudo, em todos os feitios: Star-Lord um humano ladrão; Gamora uma assassina lendária; Rocket e Groot, a dupla de caça-recompensas; e o obcecado Drax, O Destruidor ('nuff said!); todos com os seus traumas do passado, mas um "coração de ouro" que os fará sobrepor o sacrificio ao bom senso de auto-preservação. Pelo bem dos amigos recém conquistados, pelos milhões de habitantes de um planeta, e até da galáxia (topam?ah!). A realização conseguiu manter a lente centrada no importante, evitando o pecado principal dos filmes de acção, quando a orgia de efeitos especiais do acto final serve apenas para avassalar o espectador. O  nível de acção e destruição é épico, mas o espectador tem a noção do que decorre no ecrã. As músicas ouvidas durante o filme, oriundas da cassete audio do protagonista- creio que tudo material dos anos 70 - são o elo de Star-Lord com a sua breve vida na Terra, antes de ser raptado por extraterrestres; e proporcionam igualmente bons momentos, entre ternura, comédia e embaraço. A faixa "Cherry Bomb" não sai do meu Mp3 há semanas! E porra, finalmente um filme em planetas alienígenas com cenas diúrnas.(A sério, já aborrecem aqueles planetas tecnológicos mais escuros que o Blade Runner e com fumo e chuva para disfarçar os efeitos especiais.) Tecnicamente tem a qualidade a que os recentes filmes da Marvel nos habituaram, mas como já disse, os trunfos são a empatia, e a diversão do conjunto de todos os elementos. Gosto muito da forma como os filmes da Marvel estão interligados no mesmo Universo cinematográfico, mas foi bom ver novos locais e personagens, sem tanta carga de continuidade e os "seis-graus-de separação de Kevin Bacon". Ah, quase que ia spoiler! Parabéns pela "coragem" em produzir um filme com personagens desconhecidos do grande público, mas que está aser bem recompensado no box office, para surpresa de...bem, toda a gente! É um belo dia para o sci-fi! Divertimento não acéfalo, mas sem palha desnecessária, recomendadíssimo! Uma dica: tentem descobrir as diferenças das cenas que vimos nos trailers.
Resumindo, saia da frente do monitor na sua cave e corra para o cinema antes que os filhos da p*ta o bombardeiem com spoilers!


Mais sobre os personagens, principalmente na continuidade da nona arte: "Guardians Of The Galaxy - Quem são os Guardiões da Galáxia?"

P.S. - Quero dedicar esta crítica ao rapazola que me spoilou a segunda cena pós-créditos. No hard feelings!

P.P.S. - Daqui a uns anos quando reler este texto, sei que vou confirmar que escrevi isto muito entusiasmado. Muitos pontos de exclamação? Futuro-Eu, tens razão!

P.P.P.S. - Logo me contam se também não pensaram que era a Angelina Jolie no inicio do filme?

6 comentários até agora:.

  1. Ozpinhead says:

    Tenho sido um fã da maioria dos filmes da Marvel, apesar das suas falhas, mas não entendo as críticas exacerbadamente positivas, quase universais, sobre este último filme. Não me julguem mal, não é que tenha detestado o filme, longe disso, mas acho que se encontra no espectro mais baixo dos filmes da Marvel Studios. Tem coisas boas e alguns bons momentos, mas na minha opinião, tem tanto ou ainda mais elementos e sequências que não funcionam ou pelo menos não tão bem como parece ser o consenso.

  2. CINE31 says:

    Ozpinhead: o que só demonstra novamente que a sétima arte não é uma ciência exacta! :)
    Frederico: Também adorei, mas não chego ás 5 estrelas :)

  3. Eu adorei mesmo e aquela banda sonora foi soberba, nasci na década de 90 mas adoro quase todas as músicas que passaram e que são dos anos 80.

  4. CINE31 says:

    Esta é a compilação de canções (não a banda sonora incidental) favorita desde a do Scott Pilgrim. A combinação anacrónica "space opera"/"canções dos 60 e 70" funcionou lindamente!

Deixe o seu comentário:

Partilhe os seus comentários connosco!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...